domingo, 16 de janeiro de 2011

Um texto de amor pra ninguém.

Às vezes eu tenho a impressão de que minha vida é uma eterna procura. A procura de quê exatamente, ainda não sei.
Meus dias andam vazios, mornos, sem cor.
Sinto necessidade de me encontrar, descobrir quem sou, qual o meu propósito na vida e, principalmente, preencher esse vazio que anda comigo.
Talvez a vontade de encontrar aquela pessoa que te completa, tenha a ver com isso. Muita gente diz que ninguém precisa de outra pessoa pra ser feliz, e que temos que ser felizes com nós mesmos, que amor é bom, mas não é crucial. Concordo com a parte de que temos que ser felizes com nós mesmos, mas como diria Tom Jobim, "é impossível ser feliz sozinho".
Acho que em um mundo tão grande, com tanta gente, deve ter alguém por aí que não é perfeito, mas que é perfeito pra mim.
Eu posso ter passado por ele na calçada, ou nunca tê-lo visto. Não sei se já o conheço, se já fomos apresentados, se ainda vamos nos encontrar, ou se vamos passar o resto de nossas vidas nos procurando.
Mas até lá continuo tendo a impressão de que minha vida está em "standby", e não vejo a hora de poder apertar o "play".

"Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada" (Clarice Lispector)







"- Sabe a garota do copo de água?
 - Sei.
 - Se parece distante, talvez seja porque está pensando em alguém.
 - Em alguém do quadro?
 - Não, um garoto com quem cruzou em algum lugar e sentiu que eram parecidos.
 - Em outros termos, prefere imaginar uma relação com alguém ausente a criar laços com os que estão presentes.
 - Ao contrário, talvez tente arrumar a bagunça da vida dos outros.
 - E ela? E a bagunça da vida dela? Quem vai pôr ordem?"

Cena do filme "O fabuloso Destino de Amelie Poulain"

5 comentários:

faustobarros disse...

continue escrevendo Victoria!
de alguma forma isso te conforta..
a melhor parte destes sentimentos,
e desta procura, é o aprendizado,
e as coisas que lhe acrescentam
durante a sua jornada..

És nova ainda, muito bonita, e ao contrario
do titulo de seu blog, és mui inteligente!!!!

Sandro Ataliba disse...

Quer se encontrar, olhe para dentro. ;)
E não se preocupe tanto em encontrar alguém, mas em aproveitar bastante enquanto não encontra. Porque depois, quando encontrar, é provável que sinta falta de quando estava sozinha.
Pense nisso.
Beijão, Vic!

Fernanda disse...

Amiga, este trecho do filme "O fabuloso destino de Amélie Poulain" tem tudo a ver com seu momento atual, né?! (Já disse isto antes!!! rs)... Às vezes o procuramos está bem à nossa frente e, ainda assim, não percebemos... Citando o glorioso Mario Quintana (não poderia ser diferente, né?!):
"DA FELICIDADE
Quantas vezes a gente,em busca da ventura,
Procede tal e qual o avozinho infeliz:
Em vão, por toda parte, os óculos procura
Tendo-os na ponta do nariz!"

Thaís Alves disse...

Concordo com o que o Sandro quis dizer. Se você não se curtir o suficiente primeiro, sempre sentirá falta de si mesma depois. Por isso, na vida temos que aproveitar os momentos em que podemos nos renovar, nos conhecer melhor, nos reinventar. Encontrar alguém não pode ser um objetivo de vida, mas uma consequência natural de alguém que se ama, se conhece e está aberta ao que a vida traz. Cuidado para que a ansiedade não te leve a encontrar relacionamentos que não te façam bem. Concordo que "é impossível SER feliz sozinho", mas não é impossível ESTAR feliz sozinho. Vai por mim, essa velha que vos fala...rs Beijos, querida!

Victoria disse...

Meninos, não me interpretem mal! hahahaha!!
Sei bem o que é ficar bem consigo mesmo e aproveitar a vida antes de ter um compromisso sério. E esse foi um dos motivos pelo qual terminei um relacionamento de 4 anos. Esse post foi só expressando a vontade de encontrar "O alguém", o nosso "The one" sabe? Não precisa ser hoje, não precisar ser agora. Mas nos momentos de carência, eu penso "E se eu não encontrar nunca?", eu não posso curtir a vida pra sempre, e curtir sozinha cansa também. Não estou a procura de casamento, nem de um relacionamento sério no momento, muito menos vou me relacionar com alguém só por carência.
Adoro vocês, meus amigos!
Obrigada pelos comentários!!
Beijos