domingo, 9 de junho de 2013

Todo o resto...


"Existe o certo, o errado e todo o resto". Esta é uma frase dita pelo ator Daniel Oliveira vivendo Cazuza, em conversa com o pai, numa cena que, a meu ver, resume o espírito do filme dirigido por Sandra Werneck e Walter Carvalho. Aliás, resume a vida.
Certo e errado são convenções que se confirmam com meia dúzia de atitudes. Certo é ser gentil, respeitar os mais velhos, seguir uma dieta balanceada, dormir oito horas por dia, lembrar-se dos aniversários, trabalhar, estudar, casar-se e ter filhos, certo é morrer bem velho e com o dever cumprido. Errado é dar calote, rodar de ano, beber demais, fumar, se drogar, não programar um futuro decente, dar saltos sem rede. Todo mundo de acordo?
Todo mundo teoricamente de acordo, porém a vida não é feita de teorias. E o resto? E tudo aquilo que a gente mal consegue verbalizar, de tão intenso? Desejos, impulsos, fantasias, emoções. Ora, meia dúzia de normas preestabelecidas não dão conta do recado. Impossível enquadrar o que lateja, o que arde, o que grita dentro de nós.
Somos maduros e ao mesmo tempo infantis, por trás do nosso autocontrole há um desespero infernal. Possuímos uma criatividade insuspeita: inventamos músicas, amores e problemas, e somos curiosos, queremos espiar pelo buraco da fechadura do mundo para descobrir o que não nos contaram. Todo o resto.
O amor é certo, o ódio é errado e o resto é uma montanha de outros sentimentos, uma solidão gigantesca, muita confusão, desassossego, saudades cortantes, necessidade de afeto e urgências sexuais que não se adaptam às regras do bom comportamento. Há bilhetes guardados no fundo das gavetas que contariam outra versão da nossa história, caso viessem a público.
Todo o resto é o que nos assombra: as escolhas não feitas, os beijos não dados, as decisões não tomadas, os mandamentos a que não obedecemos, ou a que obedecemos bem demais - a troco de que fomos tão bonzinhos?
Há o certo, o errado e aquilo que nos dá medo, que nos atrai, que nos sufoca, que nos entorpece. O certo é ser magro, bonito, rico e educado, o errado é ser gordo, feio, pobre e analfabeto, e o resto nada tem a ver com estes reducionismos: é nossa fome por ideias novas, é nosso rosto que se transforma com o tempo, são nossas cicatrizes de estimação, nossos erros e desilusões.
Todo o resto é muito mais vasto. É nossa porra-louquice, nossa ausência de certezas, nossos silêncios inquisidores, a pureza e a inocência que se mantêm vivas dentro de nós mas que ninguém percebe, só porque crescemos. A maturidade é um álibi frágil. Seguimos com uma alma de criança que finge saber direitinho tudo o que deve ser feito, mas que no fundo entende muito pouco sobre as engrenagens do mundo. Todo o resto é tudo que ninguém aplaude e ninguém vaia, porque ninguém vê.


  

Texto por Martha Medeiros

segunda-feira, 11 de março de 2013

E de novo e de novo e de novo...



E mais uma vez eu quebrei as promessas que fiz a mim mesma, mais uma vez eu cedi à tentação de te ressuscitar, mais uma vez eu me fiz sua e mais uma vez eu quebrei a cara.
Não me leve a mal, eu não me arrependo de nada pra falar a verdade. Eu não tenho juízo mesmo, nem vergonha na cara. Mas a ressaca sempre vem destruindo o organismo e os pensamentos.
Eu sabia o que ia acontecer quando te chamei pra sair, eu sabia o que ia acontecer quando a gente acabou com aquela garrafa de tequila e foi parar na sua casa, eu não sou inocente, nunca disse que era. Mas o que iria acontecer depois, eu não sabia. Ou melhor, sabia, mas não queria admitir, claro. Sou ótima em mentir pra mim mesma, sou ótima em criar falsas expectativas e achar que tudo vai mudar. Mas, como eu já disse, a vida não é um roteiro de comédia romântica, e você não mudou de ideia como os mocinhos das histórias sempre mudam no final.
O que eu não entendo - e acho que nunca vou entender - é o que acontece com você quando estamos juntos. Me fazendo cafuné, me puxando pra mais perto, me dizendo que sou linda e como é bom ficarmos ali, deitados, juntos, só. Em um minuto me adorando e querendo que o tempo parasse ali, e no próximo querendo que eu vá embora da sua vida, por favor.
Tem muita coisa em relação aquela noite que ainda é só um emaranhado de lembranças(culpa da garrafa de tequila), mas eu me lembro bem da manhã - ou melhor, tarde - seguinte, e me lembro bem de me despedir de você, sem conversa, sem "a gente se vê" ou "essa foi a última vez", só com um beijo sem jeito. De ouvir o barulho da porta se fechando antes que eu tivesse alcançado o elevador, de você me ver indo embora e não ter feito nada. Não vou negar, parte de mim - e uma parte bem grande - queria que você abrisse aquela porta, me puxasse pelo braço e me pedisse pra nunca mais ir embora. Chega a ser engraçado de tão ridículo e clichê, mas eu queria. E é lógico que você não fez nada disso. E enquanto eu subia a rua, de salto alto, ainda maquiada, procurando um cigarro e descumprindo - outra vez - minha promessa de parar de fumar, eu percebi que nunca iria mudar, nunca iria acontecer, nunca passaria daquilo.
E talvez tenha sido melhor a gente não ter conversado sobre o que aconteceu, a gente conversa demais e é isso que atrapalha. E eu tomaria a culpa num gole, mas hoje a darei de presente a você, porque eu simplesmente cansei de assumir toda a responsabilidade dos nossos erros.
Entrei em um taxi e voltei pra casa ao som de exaltasamba, porque claro, a vida adora debochar da minha cara.





“E eu, que fico à flor da pele sem querer, eu tenho um coração vulcânico. E sempre acabo errada.”

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Ausência



Estou cultivando amor juntamente aos fios do meu cabelo, me disseram que assim seria mais fácil. Não me assustam as proporções exageradas quando paro na frente do espelho, estão crescendo, você vai ver, mesmo me cegando durante vários momentos, os deixo ali, quase me tapando a visão. E quando sinto as pontas batendo em meus olhos, jogo a cabeça para a direita, deixo a saudade espremidinha em um pequeno espaço, aquecida, envolvida nos tufos de cabelo. 
Não entendo sobre minhas caras, aquelas que você insiste em dizer que fiz. Não compreendo sequer sobre a distância da sua cama para o abajur, eu não estou aí. 
Deixe então que eu pratique diariamente com você meus dramas, o que mais, além disso, eu poderia fazer? 
Continuo lendo seu único email até conseguir dormir. E mesmo que o poema não seja seu, encarno o personagem, te coloco bem ao meu lado, como em todas as noites deveria ser. 


Ouvindo: Caetano Veloso - Coração vagabundo

Texto por NanaCaê

domingo, 12 de agosto de 2012

Mais um dia dos pais sem você aqui...





Eu adoro você. Porque pra gente, adorar é mais que amar. E eu adoro no puro e real sentido da palavra. E pra sempre. E de perto ou infelizmente de longe. E isso é uma declaração sim, de veneração, de amor. Saudade sempre. Feliz dia dos pais aí no céu! 

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Amor, vinho e outras coisas




Nos últimos dias, e com tudo o que tem acontecido na minha vida, me peguei pensando - novamente - no amor. No amor romântico, entre duas pessoas.
Quando você se apaixona e não dá certo, bola frente. Nada que um porre, uma noitada com as amigas e uma noite com uma pessoa errada(por que não?) não resolvam. No outro dia você fica de ressaca e dois dias depois já está pronta pra outra. Pelo menos comigo, sempre foi assim. Mas e quando é amor de verdade? O que a gente faz com ele?
Os filmes e livros e tudo o que já foi dito ou escrito sobre o assunto nos ensinam que quando é amor de verdade você não deve desistir nunca. Que se é amor, no final sempre dá certo, e se não der é porque uma das partes morreu. Mas no mundo real não é bem assim que funciona. Você acaba sofrendo, se humilhando e destruindo toda a sua confiança. Acaba se tornando uma arma contra seu amor próprio e isso não é certo. Mas se é amor, deveria dar certo no final, né? Porque, como é possível você amar uma pessoa e ela não te amar de volta? Isso ninguém ensinou pra gente.
Não me levem a mal, não estou tentando colocar a culpa das minhas frustrações amorosas em Shakespeare, nem nada disso. Mas eu acho que tudo o que já foi escrito e dito sobre isso, só pode ter sido pura utopia. Porque é possível sim, você amar alguém e não ter o final feliz.
Mas essa sou eu divagando - pra variar - sobre coisas que eu nunca vou entender. Uma garrafa de vinho, um maço de cigarros, John Mayer e essas dúvidas que nunca me deixam me trouxeram até aqui.
Eu não sei o que fazer com esse amor. E dói tanto que tô quase procurando um cardiologista porque isso não pode ser normal. E eu não sei dizer quando se tornou amor, como aconteceu. Mas aconteceu. E eu amo. Fazer o que?
Eu sei que o tempo não cura tudo, mas ajuda, e um dia eu vou poder sair de casa e ao invés de levar ele comigo na bolsa, vou conseguir deixar ele em casa, bem guardado em uma gaveta. Ele sempre vai fazer parte de mim, mas um dia para de doer. E essa é minha única esperança no momento.



“Fica por aqui, vem cuidar de mim. Vamos ver um filme, ter dois filhos. Ir ao parque, discutir caetano, planejar bobagens e morrer de rir”

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Ah...o amor





Hoje, por algum motivo ainda desconhecido por mim, me peguei filosofando sobre o amor. Quantas vezes já sofri por amor, chorei e achei que seria o fim, que nunca mais amaria e no entanto, lá estava eu de novo, me apaixonando e amando e sofrendo...
Perto de completar 25 primaveras ainda me vejo ficar confusa sobre sentimentos, pessoas, relacionamentos, e creio eu, que isso não mude muito com a idade.
Mas penso que a gente nasceu pra sofrer de amor. A gente nasceu pra sofrer de amor e amar muito ainda assim. Seja o amor pelo homem, pelos filhos, pelos pais. O mesmo amor que nos faz feliz é aquele que nos faz chorar por um motivo ou outro. A  perda, seja pelo término, pela briga ou pela morte, a saudade, a preocupação, ou até a felicidade, por que não?
Tudo o que sei é que são duas horas da manhã e talvez o que eu precise é de uma boa noite de sono, ou uma cerveja, ou sei lá. Acho que o 'sei lá' é mais provável.
Racionalizar sentimentos é quase impossível e ainda assim eu tento.
Só sei que tá tudo esquisito aqui dentro e espero que seja só a idade chegando.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Enquanto isso no chat do facebook...



V - Cansei de engomadinhos, camisa pólo, cabelo arrepiado lotado de gel. Quero um homem tatuado, cabelo grande e bagunçado, marrento, que toca guitarra e fuma cigarro.

N - É, eu também.... o nome dele é Johnny Depp!







A mulher que nunca quis um Johnny Depp na vida dela, que atire a primeira pedra.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

20/06/2011




Então você pensa que é um dia comum, uma noite de domingo como outra qualquer, reclamando que no outro dia é segunda-feira e tem que trabalhar. De repente sua noite de domingo muda. Agitação, correria, hospital, espera, e a notícia que vai mudar toda a sua vida e fazer seu mundo cair.
Os últimos meses foram maravilhosos e tristes, embora isso possa soar um pouco incoerente. Mas o que tem de coerente na morte não é? Quando descobrimos o diagnóstico foi uma dor muito grande, uma surpresa e uma certeza: tínhamos pouco tempo pra aproveitar ao máximo a presença dele. E aproveitamos. É muito bom não ter arrependimento e culpa (que é comum sentir nesses momentos), mas aqui em casa não temos motivos pra remoer nada. Aproveitamos, demos carinho, tudo o que podíamos fazer, fizemos. Creio que meu pai foi muito feliz nos seus últimos meses de vida e é isso o que me deixa com o coração em paz.
Meu pai era um homem maravilhoso, autêntico, alegre, brincalhão, o centro das atenções. Eu não conheço uma pessoa que não gostasse dele. Era um homem muito inteligente e tinha uma cultura que impressionava. Ele se foi muito cedo e vai deixar uma saudade que é impossível descrever.
Não é fácil voltar pra casa, ver suas roupas, seus sapatos, e saber que eles não irão mais vesti-lo. Não é fácil olhar pro seu lugar vazio no sofá e saber que posso assistir o canal que eu quiser na TV porque não tenho mais você pra brigar comigo pelo controle remoto, como duas crianças. Dói saber que não vou mais escutar sua voz cantando "Sunshine on my shoulders", ou ver sua carinha de felicidade toda vez que eu trazia pra casa a comida que você gostava. E é pior ainda saber que não vou mais ganhar seu sorriso e seu beijo toda vez que eu abrir a porta da sala, chegando do trabalho e escutar "Ei meu tesouro".
Embora a gente tenha a sensação do nunca mais, sei que não acabou aqui. Um dia a gente vai se ver de novo, e ele vai olhar por nós de onde ele estiver.
Tenho muito orgulho do homem, do marido e do pai que ele foi.
Pai, meu tesouro, eu te amo demais!!




"Imagine que você está a beira mar e vê um navio partindo. Você fica olhando, enquanto ele vai se afastando, cada vez mais longe, até que finalmente parece apenas um ponto no horizonte. E você diz: 'ELE SE FOI.' Foi onde? Foi a um lugar que a sua visão não alcança. Só isto. Ele continua tão grande, tão bonito e tão importante como era quando estava perto de você. A dimensão diminuída está em você, no alcance dos seus olhos e não nos dele. E naquele exato momento em que você está dizendo: 'ELE SE FOI', outros o estão vendo se aproximar e outras vozes estão exclamando: 'ELE ESTÁ CHEGANDO!!'"

quinta-feira, 31 de março de 2011

#100factsaboutme

Quis entrar na brincadeira, mas não quis acabar com a timeline de quem me segue no twitter, então resolvi fazer aqui no blog.
Provavelmente não vai ser interessante pra vocês como foi pra mim. Foi um pouco difícil, mas acho que consegui..rs






1. Minha mãe queria me chamar de Victor ou Cynthia, como nasci mulher meu pai resolveu que seria Victoria. (ainda bem)
2. Odeio milho.
3. Sou viciada em coca-cola e cigarro (quero parar com os dois).
4. Quero fazer intercâmbio em Londres pra ver se pego o sotaque britânico (bizarro, eu sei).
5. Meu sonho é ser poliglota.
6. Meu cérebro funciona de maneiras que nem eu entendo.
7. Meu número favorito é 7.
8. Amo frio e no calor eu quero morrer (ou matar, sei lá).
9. Jogo vídeo game apertando todos os botões sem saber o que estou fazendo.
10. Gosto mais de comprar livros que sapatos.
11. Mudo de idéia facilmente, mas sou teimosa.
12. Sou bastante contraditória também.
13. Falo demais quando devia ficar calada e de menos quando devia falar.
14. Adoro quando as pessoas lembram de mim de maneira aleatória e fico emocionada.
15. Tenho memória seletiva e esqueço brigas e ofensas facilmente.
16. Quase sempre me dou mal em discussões justamente por ter memória seletiva.
17. Sou boa pra perdoar.
18. Tenho vergonha de mostrar minha playlist pras pessoas (menos pro @steeeiner).
19. Adoro música, e sou extremamente eclética.
20. Não sorrio se não estiver com vontade e já fui confundida com arrogante ou metida por isso.
21. Tenho a autoestima mais baixa do mundo.
22. Sou exagerada.
23. Eu falo demais (tagarela mesmo), e ás vezes quando paro de falar, fico com vergonha.
24. Já fui traída por namorado, mas a traição que doeu mais foi de amigos.
25. Tenho uma paixão platônica.
26. Sempre quis ser atriz.
27. Quase participei da minissérie JK, mas fui cortada do elenco na última hora.
28. Sou bastante volúvel. Durmo amando e acordo odiando.
29. Mas quando gosto de verdade e reconheço isso, faço tudo pela pessoa.
30. Tenho mais pena de animais que de pessoas.
31. Meu sonho é criar um abrigo para animais.
32. Faço tudo por meus amigos e fico chateada quando eles me deixam de lado.
33. Amo comida japonesa e se pudesse comeria todos os dias.
34. Odeio que me falem que estou errada, mas reconheço quando estou.
35. Eu acho a minha família a melhor do mundo.
36. Quando eu sou apresentada a uma pessoa, dois segundos depois já esqueci o nome dela. Isso me deixa em saia justa quase sempre.
37. Detesto que peguem no meu rosto.
38. Sou chata pra comer.
39. Quando estou chorando prefiro que não me perguntem, senão não consigo parar.
40. Odeio academia.
41. Sou preguiçosa.
42. Eu gostaria de usar mais salto alto, mas não suporto a dor.
43. Eu sempre assisto filmes que são baseados em livros e SEMPRE falo mal dos filmes.
44. Até hoje não tirei carteira de motorista.
45. Não gosto da minha faculdade, nem do meu curso.
46. Sou baixinha invocada. Já quase apanhei por isso.
47. Eu tinha uma amiga argentina quando eu era criança e até hoje me lembro dela e me pergunto onde será que ela está.
48. Tenho amigos que fiz pela internet que são muito especiais pra mim.
49. Sou extremamente franca e já magoei pessoas por isso.
50. Gostaria que inventassem um filtro entre o cérebro e a língua para pessoas como eu.
51. Já me apaixonei várias vezes e quis morrer pensando que seria eterno.
52. Já subi uma escada rolante que descia.
53. Eu me assusto a toa, porque vivo distraída.
54. Odeio quando me assusto e perguntam: “Nossa, sou tão feio assim?” ou “Tá fazendo coisa errada né?”.
55. Aliás, odeio qualquer tipo de pergunta idiota.
56. Sou um pouco estúpida, às vezes.
57. Disfarço tristeza com piada.
58. Já (quase) fui presa uma vez.
59. Nunca quebrei nenhum osso, e nunca fiquei internada.
60. Adoro ter crises de riso e esquecer do que eu estava rindo.
61. Às vezes tudo parece uma merda e depois que eu caio no choro, a tristeza parece perder o sentido.
62. Choro a toa. Filmes, novelas, livros, séries e se bobear até comercial.
63. Já fiz de quase tudo com meu cabelo e tinha apelido de camaleão. Já usei muito curto, muito longo, vermelho, castanho, preto, loiro e até laranja.
64. Já tive apelido de “Morango” (nem lembro porque) também, e foi o que mais pegou.
65. As pessoas falam que eu pareço com a Scarlett Johansson, e embora eu não ache, fico muito lisonjeada.
66. Eu adoro escrever, mas minha inspiração é temperamental.
67. Eu uso o blog pra escrever textos longos, o twitter pra ser retardada, e o tumblr pra quando quero expressar algum sentimento do momento.
68. Adoro redes sociais.
69. Tem coisas que acontecem comigo que as pessoas pensam que é mentira.
70. Eu abro a geladeira pra pensar. (mas é sem perceber)
71. Sou muito lerda.
72. Adoro acordar tarde, mas sempre me sinto culpada quando durmo demais.
73. Quero aprender a tocar gaita, e até tenho uma, mas tenho preguiça de aprender sozinha.
74. Meu sonho é saber tocar piano, mas acho muito caro e não caberia um piano na minha casa.
75. Não gosto que puxem conversa comigo quando estou com fones de ouvido. Deveria ser um recado implícito.
76. Não gosto que estranhos comecem a conversar comigo em filas ou ônibus, mas já me surpreendi e tive conversas agradáveis.
77. Eu daria muita coisa pra saber se certas pessoas pensam em mim quando fecham os olhos.
78. E daria muita coisa também pra que isso acontecesse, caso a resposta fosse não.
79. Em momentos de perigo ou drama me pego pensando nas coisas mais nonsense.
80. Já fui assaltada duas vezes, mas nunca me roubaram nada. Sim, eu reagi, mas não foi algo que eu tivesse planejado.
81. Eu acho que encontrei o homem dos meus sonhos, mas ele não sabe disso.
82. Tenho crises de riso quando não pode. Tipo na frente do chefe ou em velório.
83. Eu caio na gargalhada quando fico nervosa.
84. Eu custo a entrar em uma briga, mas quando eu entro, ninguém me reconhece.
85. Odeio Chaves, e não consigo entender como as pessoas podem se mijar de rir assistindo àquilo. Não me julguem, eu não julgo vocês.
86. Sou tão apaixonada por Friends que posso assistir por horas sem cansar e rir como se fosse a primeira vez.
87. Queria escrever um livro, mas sei que iria me perder na metade.
88. Me sinto a Bridget Jones.
89. Tenho tendência à procrastinação.
90. Não posso fazer um Top 10, porque amanhã vou mudar de idéia.
91. Não gosto de receber flores. Acho inútil e prefiro o bilhete.
92. Minha flor predileta é o Hibisco.
93. Não sei cozinhar.
94. Sou dramática.
95. Eu faço as pessoas rirem com frequência e sempre fico com cara de “Qual foi a graça?”.
96. Sou daquelas que conta a piada do Pinóquio quando vejo um amigo triste.
97. Quando eu vejo um corredor muito grande e vazio eu saio correndo igual louca só porque acho divertido. Sério.
98. Me iludo com facilidade, mas também sou boa em me iludir ao contrário. (?)
99. Canto junto com comerciais.
100. Eu sonho demais.

É isso...se você chegou até aqui, comente! =)

domingo, 13 de março de 2011

What's going on?!

 
 
"Vinte e cinco anos e minha vida está imóvel
Estou tentando subir aquela grande colina de esperança
Por um destino
Eu percebi rapidamente quando soube que
Aquele mundo era feito por esta
Irmandade dos homens
Seja lá o que isso signifique

E então eu choro algumas vezes quando estou deitada na cama
Apenas para excluir tudo o que está em minha cabeça
E eu, eu estou me sentindo um pouco peculiar

E então eu acordo pela manhã e saio lá para fora
E eu tomo um fôlego profundo
E eu me elevo
E grito a plenos pulmões
O que está acontecendo?

E eu canto hey-yeah-yea-eah, eah hey yea yea
Eu disse hey! O que está acontecendo?
E eu canto hey-yeah-yea-eah, eah hey yea yea
Eu disse hey! O que está acontecendo?

E eu tento, oh meu Deus como eu tento
Eu tento o tempo todo
Nesta instituição
E eu rezo, oh meu Deus como eu rezo
Eu rezo a cada dia comum
Por uma revolução

E então eu choro algumas vezes quando estou deitada na cama
Apenas para excluir tudo o que está em minha cabeça
E eu, eu estou me sentindo um pouco peculiar

E então eu acordo pela manhã e saio lá para fora
E eu tomo um fôlego profundo
E eu me elevo
E grito a plenos pulmões
O que está acontecendo?

E eu canto hey-yeah-yea-eah, eah hey yea yea
Eu disse hey! O que está acontecendo?
E eu canto hey-yeah-yea-eah, eah hey yea yea
Eu disse hey! O que está acontecendo?

Vinte e cinco anos e minha vida está imóvel
Estou tentando subir aquela grande colina de esperança
Por um destino"
 
 
 

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Desafio dos Blogs - Livros



 
1 - Um livro que te faz lembrar alguém, e por que?

"Confissões de Adolescente" me lembra minha amiga Renata. Simplesmente porque tem tudo a ver com a gente e com a época em que nossa amizade começou e os momentos que passamos juntas na adolescência.

2 - Um livro que gostaria que virasse filme, e porque?

São dois na verdade, do mesmo autor. "A Sombra do Vento" e "O Jogo do Anjo" do Carlos Ruiz Zafón. Porque são livros maravilhosos e dariam ótimos filmes. E eu gostaria de saber se os personagens e cenários são mesmo do jeito que imaginei.

3 - Um personagem de livro favorito (pode ser homem ou mulher), e por que?

A Elisabeth Gilbert de "Comer, Rezar, Amar". Ela teve coragem de fazer tudo o que eu gostaria de fazer um dia.

4 - Livro que te conforta, e por que?

"O Sono dos Hibiscos". É uma história de superação que nos ensina muito e nos faz ter esperanças, na vida, em casos de doença e, claro, no amor. E é uma história verdadeira.

5 - Indicar 5 blogs para a brincadeira:


domingo, 16 de janeiro de 2011

Um texto de amor pra ninguém.

Às vezes eu tenho a impressão de que minha vida é uma eterna procura. A procura de quê exatamente, ainda não sei.
Meus dias andam vazios, mornos, sem cor.
Sinto necessidade de me encontrar, descobrir quem sou, qual o meu propósito na vida e, principalmente, preencher esse vazio que anda comigo.
Talvez a vontade de encontrar aquela pessoa que te completa, tenha a ver com isso. Muita gente diz que ninguém precisa de outra pessoa pra ser feliz, e que temos que ser felizes com nós mesmos, que amor é bom, mas não é crucial. Concordo com a parte de que temos que ser felizes com nós mesmos, mas como diria Tom Jobim, "é impossível ser feliz sozinho".
Acho que em um mundo tão grande, com tanta gente, deve ter alguém por aí que não é perfeito, mas que é perfeito pra mim.
Eu posso ter passado por ele na calçada, ou nunca tê-lo visto. Não sei se já o conheço, se já fomos apresentados, se ainda vamos nos encontrar, ou se vamos passar o resto de nossas vidas nos procurando.
Mas até lá continuo tendo a impressão de que minha vida está em "standby", e não vejo a hora de poder apertar o "play".

"Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada" (Clarice Lispector)







"- Sabe a garota do copo de água?
 - Sei.
 - Se parece distante, talvez seja porque está pensando em alguém.
 - Em alguém do quadro?
 - Não, um garoto com quem cruzou em algum lugar e sentiu que eram parecidos.
 - Em outros termos, prefere imaginar uma relação com alguém ausente a criar laços com os que estão presentes.
 - Ao contrário, talvez tente arrumar a bagunça da vida dos outros.
 - E ela? E a bagunça da vida dela? Quem vai pôr ordem?"

Cena do filme "O fabuloso Destino de Amelie Poulain"

domingo, 9 de janeiro de 2011

"Talvez eu só precise de férias, um porre e um novo amor..."

Sei que falar "Clarice Lispector me entende" pode parecer clichê, mas é assim que me sinto. Aquela mulher tinha o dom de descrever a si mesma e seus sentimentos que eu não tenho, e as coisas que ela escreveu me fazem pensar "Puxa, eu poderia ter escrito isso, porque me sinto exatamente assim." E esse texto é um dos mais lindos e geniais dela, onde me identifico em cada linha e creio que muitos de vocês(principalmente mulheres) irão se encontrar ali também.



"Já escondi um amor com medo de perdê-lo, já perdi um amor por escondê-lo.
Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.
Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.
Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.
Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.
Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.
Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.
Já tive crises de riso quando não podia.
Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.
Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.
Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade... Já tive medo do escuro, hoje no escuro "me acho, me agacho, fico ali".
Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.
Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.
Já chamei pela mamãe no meio da noite fugindo de um pesadelo. Mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda.
Já chamei pessoas próximas de "amigo" e descobri que não eram... Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.
Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!
Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.
Você pode até me empurrar de um penhasco q eu vou dizer:
- E daí? EU ADORO VOAR!"

Clarice Lispector


"Publicar um texto é um jeito educado de dizer 'me empresta seu peito porque a dor não tá cabendo só no meu'."  (Tati Bernardi)

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Coisas antigas..

Estava olhando alguns arquivos antigos no meu computador,  e encontrei uma página de um texto que escrevi e que pretendia se tornar um livro. Coitada de mim.
Mas quando li, achei bom. Quem sabe um dia, quando eu tiver tempo de novo e a criatividade voltar, aprimorada por mais anos de vida e muito mais experiências que uma simples garota de 15 anos, eu volte a escrever?




"Capítulo 1





            -Ai meu Deus! Será que ele não vai ligar nunca? –­­­­ Perguntei a mim mesma depois de tomar o último gole do café.
            A noite passada havia sido terrível. Fui ao apartamento de John decidida: iria me declarar pra ele. Eu o amava e não podia mais esconder. Eu iria dizer verdade, ele iria ficar feliz, dizer que sentia o mesmo há muito tempo, mas nunca teve coragem de se declarar. Então iríamos nos beijar e nos amar ali mesmo.
            Coloquei o meu melhor vestido – o único decente do meu guarda-roupa – uma sandália com salto agulha, me maquiei e prendi meu cabelo no estilo “fatal”. Coloquei meu braço pra fora da janela pra checar a temperatura. Estava frio. Peguei meu casaco e saí.
            No caminho comprei uma garrafa de vinho tinto. O favorito de John. O trânsito estava terrível e eu cada vez mais nervosa. Ainda havia tempo de desistir, esquecer aquilo. Mas automaticamente dirigi até o prédio onde John morava.
            Chamei o elevador tremendo. Entrei. Pra minha sorte não havia ninguém. Ninguém pra testemunhar meu nervosismo. O ponteiro do elevador indicava os andares. 2...3... – Afinal, qual é o problema comigo? – Falei alto –  4...5... – É só dizer e pronto. O máximo que eu posso levar é um fora. –  6...7...8. Oitavo andar – Ah...eu to fazendo uma tempestade à toa...é tão fácil! – Saí do elevador andei em direção ao apartamento de John.
            Parei na frente da porta – Bom – Pensei – Aqui estou. Coragem, Julia, coragem. – Toquei a campainha e, antes que eu pudesse pensar em sair correndo, a porta se abriu.
            Gelei. Lá estava ele. Tremi. Notei que estava nu e enrolado em um lençol branco. Provavelmente estava na cama. "


Pois é, termina aí. Ainda pretendo voltar nesse texto. Alguma sugestão para o futuro de Júlia?
 

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Simples...


Só queria um lugar mais calmo, longe dessa loucura toda. E ficar perto de quem ama, sem se preocupar com o tempo, com os compromissos...
Andar calma e livre por lugares lindos, sentir o vento, o frio gostoso, as mãos dadas, a conversa interminável, sobre o tempo, sobre o trabalho(inevitável), sobre os amigos, a família, sobre os problemas, a solução, sobre os dois. E depois de um longo e maravilhoso dia, dormir abraçado com aquela pessoa, aquele que não importa onde, como, quanto tempo, sempre é bom estar por perto. Simples. E as maiores e melhores coisas estão na simplicidade.
E é assim, nessa simplicidade, nessa felicidade que ela deseja, e sonha viver o resto da vida.



"E dizia consigo mesmo: -Deitar-se com alguém e dormir com ele, eis duas paixões não apenas diferentes mas quase contraditórias. O amor não se manifesta pelo desejo de fazer amor (esse desejo se aplica a uma multidão inumerável de pessoas), mas pelo desejo do sono compartilhado(e esse desejo diz respeito a uma só pessoa)."

_Milan Kundera- A Insustentável leveza do ser.


segunda-feira, 28 de junho de 2010

Viva, não sobreviva...



Ainda pior que a convicção do não é a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase.
É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi. Quem quase ganhou ainda joga, quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu está vivo, quem quase amou não amou.
Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono. Pergunto-me, às vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos "Bom dia", quase que sussurrados.
Sobra covardia e falta coragem até pra ser feliz.
A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.
Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, sentir o nada, mas não são. Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si. Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém, preferir a derrota prévia à dúvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer. Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma. Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance. Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar. Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu.